Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Antes santificai a Cristo, como Senhor, nos vossos corações; e estai sempre preparados para responder, com mansidão e temor, a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós. 1 Pedro 3:15


Por muito que Maria tenha sido um exemplo de vida cristã, a doutrina católica conseguiu criar vários mitos à sua volta.

 

Da suposta virgindade até à sua morte , o ter nascido sem pecado, o ser a "mãe de Deus", e o ser uma mediadora ou uma milagreira nos dias de hoje.

 

Como a Bíblia é a palavra de Deus, estando também assim na origem do próprio catolicismo, vamos através da "palavra" refutar cada uma das falácias.

 

 

Virgindade?

Maria era casada com José, logo, é lógico pensar que seria impossível que Maria e José nunca fizessem alguma "coisa". Afinal, a relação sexual é o ponto máximo da intimidade entre marido e mulher. Biblícamente falando, o sexo é para ser feito precisamente dentro do contexto do casamento. Maria sim, foi virgem até dar à luz o filho de Deus que foi encarnado no seu ventre através do Espírito Santo.

 

Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi assim: Que estando Maria, sua mãe, desposada com José, antes de se ajuntarem, achou-se ter concebido do Espírito Santo.
Então José, seu marido, como era justo, e a não queria infamar, intentou deixá-la secretamente.
E, projetando ele isto, eis que em sonho lhe apareceu um anjo do Senhor, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber a Maria, tua mulher, porque o que nela está gerado é do Espírito Santo;
E dará à luz um filho e chamarás o seu nome JESUS; porque ele salvará o seu povo dos seus pecados.
Tudo isto aconteceu para que se cumprisse o que foi dito da parte do Senhor, pelo profeta, que diz;
Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, E chamá-lo-ão pelo nome de EMANUEL, Que traduzido é: Deus conosco.
E José, despertando do sono, fez como o anjo do Senhor lhe ordenara, e recebeu a sua mulher;
E não a conheceu até que deu à luz seu filho, o primogênito; e pôs-lhe por nome Jesus.

Mateus 1:18-25

 

Aqui, o termo "conheceu", refere-se ao acto sexual. Lá mais para a frente, o evangelho nos mostra que Jesus tinha irmãos.

 

E foram ter com ele sua mãe e seus irmãos, e não podiam aproximar-se dele, por causa da multidão.
E foi-lhe dito: Estão lá fora tua mãe e teus irmãos, que querem ver-te.

Lucas 8:19-20

 

Sem pecado?

Sendo ela uma ser-humana, e só havendo uma única raça humana à face da terra, ela foi pecadora pelo simples facto de, tal como nós, ser uma descendente de Adão.

 

Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram.

Romanos 5:12

 

Mas se dúvidas ainda houverem, ela admitiu a sua necessidade pessoal de um salvador, pondo-se na condição de "serva".

 

Disse então Maria: A minha alma engrandece ao Senhor,
E o meu espírito se alegra em Deus meu Salvador;
Porque atentou na baixeza de sua serva; Pois eis que desde agora todas as gerações me chamarão bem-aventurada,

Lucas 1:46-48

 

Mãe de Deus?

Como já vimos, a própria Maria admitiu a sua condição de pecadora e de mulher comum, logo, não pode ser posta num patamar semelhante ao de Deus. A questão é que a intenção passa exactamente por isso. Agora, pode sim, ser considerada a mãe de Jesus na parte humana, porque o filho de Deus foi gerado no ventre de Maria para ser precisamente um homem (para que fosse um homem a assumir na cruz a culpa do pecado). Mas, como já referi, não pode ser posta num patamar igual ao de Deus.

 

Maria foi de facto "bendita entre as mulheres", pelo simples facto de ter sido a eleita de Deus para dar à luz o Deus e homem que posteriormente iria salvar pecadores como ela - assim como os apóstolos só o foram porque Deus os escolheu. Mas nunca por mérito deles.

 

Mediadora que faz milagres?

Comecemos de imediato com uma das passagens mais conhecidas da Bíblia.

 

Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem.

1 Timóteo 2:5

 

Foi Cristo, Deus e homem sem pecado, quem carregou sobre si os pecados de todos. Como Deus e Salvador, naturalmente que toda a honra e toda a glória para si são em exclusividade.

 

A doutrina das promessas e dos sacrifícios para se obter um milagre (como se faz em Fátima) não é uma doutrina bíblica. É o chamado "falso evangelho" que o apóstolo Paulo faz menção na sua epístola aos Gálatas.

 

Maravilho-me de que tão depressa passásseis daquele que vos chamou à graça de Cristo para outro evangelho;
O qual não é outro, mas há alguns que vos inquietam e querem transtornar o evangelho de Cristo.
Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema.
Assim, como já vo-lo dissemos, agora de novo também vo-lo digo. Se alguém vos anunciar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema.
Porque, persuado eu agora a homens ou a Deus? ou procuro agradar a homens? Se estivesse ainda agradando aos homens, não seria servo de Cristo.
Mas faço-vos saber, irmãos, que o evangelho que por mim foi anunciado não é segundo os homens.
Porque não o recebi, nem aprendi de homem algum, mas pela revelação de Jesus Cristo.

Gálatas 1:6-12

 

Mas temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos, e se apartem da simplicidade que há em Cristo.
Porque, se alguém for pregar-vos outro Jesus que nós não temos pregado, ou se recebeis outro espírito que não recebestes, ou outro evangelho que não abraçastes, com razão o sofreríeis.

2 Coríntios 11:3-4

 

E de facto, doutrinas como Fátima, mais não têm que a intenção de "transtornar" o evangelho de Cristo, sendo que, o próprio Diabo pode operar maravilhas até dentro do seio dos eleitos de Cristo.

 

E não é maravilha, porque o próprio Satanás se transfigura em anjo de luz.
Não é muito, pois, que os seus ministros se transfigurem em ministros da justiça; o fim dos quais será conforme as suas obras.

2 Coríntios 11:14-15

 

Deus é o criador de todas as coisas e tudo subsiste por ele mesmo. Ele dá e tira a quem bem entender. Ele pode perfeitamente operar um milagre na sua vida. E o maior milagre que ele pode fazer por si é dar-lhe a vida eterna. Quer maior milagre que esse na sua vida? 

 

E sabe que promessa ou sacrifício você tem que fazer? Nenhum. Pois o Senhor Jesus Cristo já fez tudo por si ao pagar pelos seus pecados na cruz do calvário! Você só tem que aceitar o verdadeiro evangelho. O único e verdadeiro evangelho. Este é o relacionamento que Deus quer ter consigo.

 

Deus não quer fazer milagres na sua vida à conta de mezinhas, sacrifícios ou queimas de incenso; e no fim de contas deixa-lo morrer à mesma. Esse não é o relacionamento que Deus quer com o homem.

 

De que me serve a mim a multidão de vossos sacrifícios, diz o Senhor? Já estou farto dos holocaustos de carneiros, e da gordura de animais cevados; nem me agrado de sangue de bezerros, nem de cordeiros, nem de bodes.
Quando vindes para comparecer perante mim, quem requereu isto de vossas mãos, que viésseis a pisar os meus átrios?
Não continueis a trazer ofertas vãs; o incenso é para mim abominação, e as luas novas, e os sábados, e a convocação das assembléias; não posso suportar iniqüidade, nem mesmo a reunião solene.
As vossas luas novas, e as vossas solenidades, a minha alma as odeia; já me são pesadas; já estou cansado de as sofrer.

Isaías 1:11-14

 

Mas isto sim, é a essência do evangelho.

 

Depois disto partiu Jesus para o outro lado do mar da Galiléia, que é o de Tiberíades.
E grande multidão o seguia, porque via os sinais que operava sobre os enfermos.
E Jesus subiu ao monte, e assentou-se ali com os seus discípulos.
E a páscoa, a festa dos judeus, estava próxima.
Então Jesus, levantando os olhos, e vendo que uma grande multidão vinha ter com ele, disse a Filipe: Onde compraremos pão, para estes comerem?
Mas dizia isto para o experimentar; porque ele bem sabia o que havia de fazer.
Filipe respondeu-lhe: Duzentos dinheiros de pão não lhes bastarão, para que cada um deles tome um pouco.
E um dos seus discípulos, André, irmão de Simão Pedro, disse-lhe:
Está aqui um rapaz que tem cinco pães de cevada e dois peixinhos; mas que é isto para tantos?
E disse Jesus: Mandai assentar os homens. E havia muita relva naquele lugar. Assentaram-se, pois, os homens em número de quase cinco mil.
E Jesus tomou os pães e, havendo dado graças, repartiu-os pelos discípulos, e os discípulos pelos que estavam assentados; e igualmente também dos peixes, quanto eles queriam.
E, quando estavam saciados, disse aos seus discípulos: Recolhei os pedaços que sobejaram, para que nada se perca.
Recolheram-nos, pois, e encheram doze alcofas de pedaços dos cinco pães de cevada, que sobejaram aos que haviam comido.
Vendo, pois, aqueles homens o milagre que Jesus tinha feito, diziam: Este é verdadeiramente o profeta que devia vir ao mundo.
Sabendo, pois, Jesus que haviam de vir arrebatá-lo, para o fazerem rei, tornou a retirar-se, ele só, para o monte.
E, quando veio a tarde, os seus discípulos desceram para o mar.
E, entrando no barco, atravessaram o mar em direção a Cafarnaum; e era já escuro, e ainda Jesus não tinha chegado ao pé deles.
E o mar se levantou, porque um grande vento assoprava.
E, tendo navegado uns vinte e cinco ou trinta estádios, viram a Jesus, andando sobre o mar e aproximando-se do barco; e temeram.
Mas ele lhes disse: Sou eu, não temais.
Então eles de boa mente o receberam no barco; e logo o barco chegou à terra para onde iam.
No dia seguinte, a multidão que estava do outro lado do mar, vendo que não havia ali mais do que um barquinho, a não ser aquele no qual os discípulos haviam entrado, e que Jesus não entrara com os seus discípulos naquele barquinho, mas que os seus discípulos tinham ido sozinhos
(Contudo, outros barquinhos tinham chegado de Tiberíades, perto do lugar onde comeram o pão, havendo o Senhor dado graças).
Vendo, pois, a multidão que Jesus não estava ali nem os seus discípulos, entraram eles também nos barcos, e foram a Cafarnaum, em busca de Jesus.
E, achando-o no outro lado do mar, disseram-lhe: Rabi, quando chegaste aqui?
Jesus respondeu-lhes e disse: Na verdade, na verdade vos digo que me buscais, não pelos sinais que vistes, mas porque comestes do pão e vos saciastes.
Trabalhai, não pela comida que perece, mas pela comida que permanece para a vida eterna, a qual o Filho do homem vos dará; porque a este o Pai, Deus, o selou.
Disseram-lhe, pois: Que faremos para executarmos as obras de Deus?
Jesus respondeu, e disse-lhes: A obra de Deus é esta: Que creiais naquele que ele enviou.
Disseram-lhe, pois: Que sinal, pois, fazes tu, para que o vejamos, e creiamos em ti? Que operas tu?
Nossos pais comeram o maná no deserto, como está escrito: Deu-lhes a comer o pão do céu.
Disse-lhes, pois, Jesus: Na verdade, na verdade vos digo: Moisés não vos deu o pão do céu; mas meu Pai vos dá o verdadeiro pão do céu.
Porque o pão de Deus é aquele que desce do céu e dá vida ao mundo.
Disseram-lhe, pois: Senhor, dá-nos sempre desse pão.
E Jesus lhes disse: Eu sou o pão da vida; aquele que vem a mim não terá fome, e quem crê em mim nunca terá sede.
Mas já vos disse que também vós me vistes, e contudo não credes.
Todo o que o Pai me dá virá a mim; e o que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora.
Porque eu desci do céu, não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou.
E a vontade do Pai que me enviou é esta: Que nenhum de todos aqueles que me deu se perca, mas que o ressuscite no último dia.
Porquanto a vontade daquele que me enviou é esta: Que todo aquele que vê o Filho, e crê nele, tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia.
Murmuravam, pois, dele os judeus, porque dissera: Eu sou o pão que desceu do céu.
E diziam: Não é este Jesus, o filho de José, cujo pai e mãe nós conhecemos? Como, pois, diz ele: Desci do céu?
Respondeu, pois, Jesus, e disse-lhes: Não murmureis entre vós.
Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou o não trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia.
Está escrito nos profetas: E serão todos ensinados por Deus. Portanto, todo aquele que do Pai ouviu e aprendeu vem a mim.
Não que alguém visse ao Pai, a não ser aquele que é de Deus; este tem visto ao Pai.
Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim tem a vida eterna.
Eu sou o pão da vida.
Vossos pais comeram o maná no deserto, e morreram.
Este é o pão que desce do céu, para que o que dele comer não morra.

João 6:1-50

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.