Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Antes santificai a Cristo, como Senhor, nos vossos corações; e estai sempre preparados para responder, com mansidão e temor, a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós. 1 Pedro 3:15

É o caso destes homens que se recusaram a dizer "não" a Cristo.

 

Dá que pensar... Nós por vezes questiona-mos a Deus quando algo na nossa vida não corre como gostaríamos, ou quando vemos o "mal" afligir outras pessoas, quando nós que até somos cristãos, por vezes, somos uns privilegiados pelas circunstancias que nos rodeiam. Foi o caso de alguns profetas de Deus do antigo testamento como Jonas ou Habacuque (recomendo a leitura desses dois livrinhos).

 

Por vezes há até o receio de falarmos de Cristo a familiares e amigos, porque podemos perder amizades e sermos vistos como "loucos".

 

Ao olharmos para esta imagem, não se fica assim com uma sensação algo confrangedora?...

 

Por vezes tudo na nossa vida corre mal. Solidão, problemas familiares, saúde, emprego, traumas, etc. Tudo desaba ao mesmo tempo. E por muito que custe, qual deverá ser a nossa posição? 

 

Lembremo-nos desses cristãos. Foram entregues aos islamitas e resistiram até ao fim, não negando a Cristo.

 

Que nunca lhe passe pela cabeça desistir, porque Deus tem um plano para a sua vida. Fique forte e inabalável como uma rocha!

 

Quero assim abordar um episódio muito conhecido no livro de Daniel, quando Deus permitiu que o seu povo fosse deportado para a Babilónia. A Bíblia nos dá vários exemplos de situações que só aconteceram uma única vez, mas que servem hoje como "símbolo" do juízo, da misericórdia ou da fé. Vamos assim ler um episódio de uma tamanha fé, que tal como esses mártires da imagem, os três jovens em causa também resistiram até ao fim.

 

O rei Nabucodonosor fez uma estátua de ouro, cuja altura era de sessenta côvados, e a sua largura de seis côvados; levantou-a no campo de Dura, na província de babilônia.
Então o rei Nabucodonosor mandou reunir os príncipes, os prefeitos, os governadores, os conselheiros, os tesoureiros, os juízes, os capitàes, e todos os oficiais das províncias, para que viessem à consagração da estátua que o rei Nabucodonosor tinha levantado.
Então se reuniram os príncipes, os prefeitos e governadores, os capitàes, os juízes, os tesoureiros, os conselheiros, e todos os oficiais das províncias, à consagração da estátua que o rei Nabucodonosor tinha levantado; e estavam em pé diante da imagem que Nabucodonosor tinha levantado.
E o arauto apregoava em alta voz: Ordena-se a vós, ó povos, nações e línguas:
Quando ouvirdes o som da buzina, da flauta, da harpa, da sambuca, do saltério, da gaita de foles, e de toda a espécie de música, prostrar-vos-eis, e adorareis a estátua de ouro que o rei Nabucodonosor tem levantado.
E qualquer que não se prostrar e não a adorar, será na mesma hora lançado dentro da fornalha de fogo ardente.
Portanto, no mesmo instante em que todos os povos ouviram o som da buzina, da flauta, da harpa, da sambuca, do saltério e de toda a espécie de música, prostraram-se todos os povos, nações e línguas, e adoraram a estátua de ouro que o rei Nabucodonosor tinha levantado.
Por isso, no mesmo instante chegaram perto alguns caldeus, e acusaram os judeus.
E responderam, dizendo ao rei Nabucodonosor: Ó rei, vive eternamente!
Tu, ó rei, fizeste um decreto, pelo qual todo homem que ouvisse o som da buzina, da flauta, da harpa, da sambuca, do saltério, e da gaita de foles, e de toda a espécie de música, se prostrasse e adorasse a estátua de ouro;
E, qualquer que não se prostrasse e adorasse, seria lançado dentro da fornalha de fogo ardente.
Há uns homens judeus, os quais constituíste sobre os negócios da província de babilônia: Sadraque, Mesaque e Abednego; estes homens, ó rei, não fizeram caso de ti; a teus deuses não servem, nem adoram a estátua de ouro que levantaste.
Então Nabucodonosor, com ira e furor, mandou trazer a Sadraque, Mesaque e Abednego. E trouxeram a estes homens perante o rei.
Falou Nabucodonosor, e lhes disse: É de propósito, ó Sadraque, Mesaque e Abednego, que vós não servis a meus deuses nem adorais a estátua de ouro que levantei?
Agora, pois, se estais prontos, quando ouvirdes o som da buzina, da flauta, da harpa, da sambuca, do saltério, da gaita de foles, e de toda a espécie de música, para vos prostrardes e adorardes a estátua que fiz, bom é; mas, se não a adorardes, sereis lançados, na mesma hora, dentro da fornalha de fogo ardente. E quem é o Deus que vos poderá livrar das minhas mãos?
Responderam Sadraque, Mesaque e Abednego, e disseram ao rei Nabucodonosor: Não necessitamos de te responder sobre este negócio.
Eis que o nosso Deus, a quem nós servimos, é que nos pode livrar; ele nos livrará da fornalha de fogo ardente, e da tua mão, ó rei.
E, se não, fica sabendo ó rei, que não serviremos a teus deuses nem adoraremos a estátua de ouro que levantaste.
Então Nabucodonosor se encheu de furor, e mudou-se o aspecto do seu semblante contra Sadraque, Mesaque e Abednego; falou, e ordenou que a fornalha se aquecesse sete vezes mais do que se costumava aquecer.
E ordenou aos homens mais poderosos, que estavam no seu exército, que atassem a Sadraque, Mesaque e Abednego, para lançá-los na fornalha de fogo ardente.
Então estes homens foram atados, vestidos com as suas capas, suas túnicas, e seus chapéus, e demais roupas, e foram lançados dentro da fornalha de fogo ardente.
E, porque a palavra do rei era urgente, e a fornalha estava sobremaneira quente, a chama do fogo matou aqueles homens que carregaram a Sadraque, Mesaque, e Abednego.
E estes três homens, Sadraque, Mesaque e Abednego, caíram atados dentro da fornalha de fogo ardente.
Então o rei Nabucodonosor se espantou, e se levantou depressa; falou, dizendo aos seus conselheiros: Não lançamos nós, dentro do fogo, três homens atados? Responderam e disseram ao rei: É verdade, ó rei.
Respondeu, dizendo: Eu, porém, vejo quatro homens soltos, que andam passeando dentro do fogo, sem sofrer nenhum dano; e o aspecto do quarto é semelhante ao Filho de Deus.
Então chegando-se Nabucodonosor à porta da fornalha de fogo ardente, falou, dizendo: Sadraque, Mesaque e Abednego, servos do Deus Altíssimo, saí e vinde! Então Sadraque, Mesaque e Abednego saíram do meio do fogo.
E reuniram-se os príncipes, os capitàes, os governadores e os conselheiros do rei e, contemplando estes homens, viram que o fogo não tinha tido poder algum sobre os seus corpos; nem um só cabelo da sua cabeça se tinha queimado, nem as suas capas se mudaram, nem cheiro de fogo tinha passado sobre eles.
Falou Nabucodonosor, dizendo: Bendito seja o Deus de Sadraque, Mesaque e Abednego, que enviou o seu anjo, e livrou os seus servos, que confiaram nele, pois violaram a palavra do rei, preferindo entregar os seus corpos, para que não servissem nem adorassem algum outro deus, senão o seu Deus.
Por mim, pois, é feito um decreto, pelo qual todo o povo, e nação e língua que disser blasfêmia contra o Deus de Sadraque, Mesaque e Abednego, seja despedaçado, e as suas casas sejam feitas um monturo; porquanto não há outro Deus que possa livrar como este.
Então o rei fez prosperar a Sadraque, Mesaque e Abednego, na província de babilônia.

Daniel 3:1-30

 

É certo que será grande o galardão de todos esses mártires!

 

Para concluir, pergunto: qual é de facto o seu problema?

 

Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo;
Pelo qual também temos entrada pela fé a esta graça, na qual estamos firmes, e nos gloriamos na esperança da glória de Deus.
E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz a paciência,
E a paciência a experiência, e a experiência a esperança.
E a esperança não traz confusão, porquanto o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado.
Porque Cristo, estando nós ainda fracos, morreu a seu tempo pelos ímpios.

Romanos 5:1-6

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

  • Do lado aberto de Adão Deus extraiu a costela da qual formou sua esposa. Do lado aberto de Jesus saíram o sangue e a água que expiaram o pecado e purificaram uma esposa (a Igreja) para si.
  • Um animal foi sacrificado no Éden para cobrir com sua pele a nudez de Adão e Eva. Jesus foi sacrificado na cruz para cobrir o pecado do homem.
  • Enquanto Caim tentava agradar a Deus com o fruto de seu trabalho, Abel sacrificou um animal inocente e conquistou o agrado de Deus. Jesus, o Cordeiro de Deus, foi o único sacrifício que poderia agradar a Deus.
  • Enquanto Deus destruía o mundo com um dilúvio, uma arca preservava Noé e sua família da morte. A arca é uma figura de Cristo, que nos livra da ira futura.
  • Abraão subiu o monte acompanhado de seu filho Isaque, o qual levava nas costas a lenha do holocausto de si mesmo. Jesus foi ao monte calvário carregando sua cruz de madeira sobre a qual seria oferecido em sacrifício a Deus.
  • José, o filho preferido de seu pai Jacó, foi vendido por seus irmãos, dado como morto, e ressurgiu no Egito para salvar seu povo. O Filho de Deus, Jesus, foi traído por seus irmãos judeus, morreu e ressuscitou para estabelecer seu Reino futuro.
  • Jonas, para salvar os marinheiros da morte, assumiu sua culpa e deixou-se lançar ao mar, ficando três dias e três noites preso no ventre do grande peixe. Jesus, ao assumir a culpa por nossos pecados, foi lançado na morte e seu corpo ficou três dias e três noites no seio da terra antes de ressuscitar. 
  • Moisés foi lançado nas águas da morte quando bebê para ressurgir mais tarde como libertador de seu povo. Jesus morreu por nossos pecados e ressuscitou para nossa justificação.
  • O cordeiro que foi morto e cujo sangue foi passado nas obreiras das portas dos israelitas no Egito para livrá-los do castigo divino é figura do Cordeiro de Deus, cujo sangue garante a libertação de nossos pecados.
  • O pequeno e indefeso Davi venceu o gigante Golias e libertou Israel dos filisteus. O fraco e abatido Jesus com sua morte venceu Satanás e libertou todos os que estavam presos pelo diabo.

Fontehttp://pintorcelestial.blogspot.pt/2008/06/o-sol-brilha-ou-nao.html

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

E no segundo ano do reinado de Nabucodonosor, Nabucodonosor teve sonhos; e o seu espírito se perturbou, e passou-se-lhe o sono.
Então o rei mandou chamar os magos, os astrólogos, os encantadores e os caldeus, para que declarassem ao rei os seus sonhos; e eles vieram e se apresentaram diante do rei.
E o rei lhes disse: Tive um sonho; e para saber o sonho está perturbado o meu espírito.
E os caldeus disseram ao rei em aramaico: Ó rei, vive eternamente! Dize o sonho a teus servos, e daremos a interpretação.
Respondeu o rei, e disse aos caldeus: O assunto me tem escapado; se não me fizerdes saber o sonho e a sua interpretação, sereis despedaçados, e as vossas casas serão feitas um monturo;
Mas se vós me declarardes o sonho e a sua interpretação, recebereis de mim dádivas, recompensas e grande honra; portanto declarai-me o sonho e a sua interpretação.
Responderam segunda vez, e disseram: Diga o rei o sonho a seus servos, e daremos a sua interpretação.
Respondeu o rei, e disse: Percebo muito bem que vós quereis ganhar tempo; porque vedes que o assunto me tem escapado.
De modo que, se não me fizerdes saber o sonho, uma só sentença será a vossa; pois vós preparastes palavras mentirosas e perversas para as proferirdes na minha presença, até que se mude o tempo; portanto dizei-me o sonho, para que eu entenda que me podeis dar a sua interpretação.
Responderam os caldeus na presença do rei, e disseram: Não há ninguém sobre a terra que possa declarar a palavra ao rei; pois nenhum rei há, grande ou dominador, que requeira coisas semelhantes de algum mago, ou astrólogo, ou caldeu.
Porque o assunto que o rei requer é difícil; e ninguém há que o possa declarar diante do rei, senão os deuses, cuja morada não é com a carne.
Por isso o rei muito se irou e enfureceu; e ordenou que matassem a todos os sábios de babilônia.
E saiu o decreto, segundo o qual deviam ser mortos os sábios; e buscaram a Daniel e aos seus companheiros, para que fossem mortos.
Então Daniel falou avisada e prudentemente a Arioque, capitão da guarda do rei, que tinha saído para matar os sábios de babilônia.
Respondeu, e disse a Arioque, capitão do rei: Por que se apressa tanto o decreto da parte do rei? Então Arioque explicou o caso a Daniel.
E Daniel entrou; e pediu ao rei que lhe desse tempo, para que lhe pudesse dar a interpretação.
Então Daniel foi para a sua casa, e fez saber o caso a Hananias, Misael e Azarias, seus companheiros;
Para que pedissem misericórdia ao Deus do céu, sobre este mistério, a fim de que Daniel e seus companheiros não perecessem, juntamente com o restante dos sábios da Babilônia.
Então foi revelado o mistério a Daniel numa visão de noite; então Daniel louvou o Deus do céu.
Falou Daniel, dizendo: Seja bendito o nome de Deus de eternidade a eternidade, porque dele são a sabedoria e a força;
E ele muda os tempos e as estações; ele remove os reis e estabelece os reis; ele dá sabedoria aos sábios e conhecimento aos entendidos.
Ele revela o profundo e o escondido; conhece o que está em trevas, e com ele mora a luz.
Ó Deus de meus pais, eu te dou graças e te louvo, porque me deste sabedoria e força; e agora me fizeste saber o que te pedimos, porque nos fizeste saber este assunto do rei.
Por isso Daniel foi ter com Arioque, ao qual o rei tinha constituído para matar os sábios de babilônia; entrou, e disse-lhe assim: Não mates os sábios de babilônia; introduze-me na presença do rei, e declararei ao rei a interpretação.
Então Arioque depressa introduziu a Daniel na presença do rei, e disse-lhe assim: Achei um homem dentre os cativos de Judá, o qual fará saber ao rei a interpretação.
Respondeu o rei, e disse a Daniel (cujo nome era Beltessazar): Podes tu fazer-me saber o sonho que tive e a sua interpretação?
Respondeu Daniel na presença do rei, dizendo: O segredo que o rei requer, nem sábios, nem astrólogos, nem magos, nem adivinhos o podem declarar ao rei;
Mas há um Deus no céu, o qual revela os mistérios; ele, pois, fez saber ao rei Nabucodonosor o que há de acontecer nos últimos dias; o teu sonho e as visões da tua cabeça que tiveste na tua cama são estes:
Estando tu, ó rei, na tua cama, subiram os teus pensamentos, acerca do que há de ser depois disto. Aquele, pois, que revela os mistérios te fez saber o que há de ser.
E a mim me foi revelado esse mistério, não porque haja em mim mais sabedoria que em todos os viventes, mas para que a interpretação se fizesse saber ao rei, e para que entendesses os pensamentos do teu coração.
Tu, ó rei, estavas vendo, e eis aqui uma grande estátua; esta estátua, que era imensa, cujo esplendor era excelente, e estava em pé diante de ti; e a sua aparência era terrível.
A cabeça daquela estátua era de ouro fino; o seu peito e os seus braços de prata; o seu ventre e as suas coxas de cobre;
As pernas de ferro; os seus pés em parte de ferro e em parte de barro.
Estavas vendo isto, quando uma pedra foi cortada, sem auxílio de mão, a qual feriu a estátua nos pés de ferro e de barro, e os esmiuçou.
Então foi juntamente esmiuçado o ferro, o barro, o bronze, a prata e o ouro, os quais se fizeram como pragana das eiras do estio, e o vento os levou, e não se achou lugar algum para eles; mas a pedra, que feriu a estátua, se tornou grande monte, e encheu toda a terra.
Este é o sonho; também a sua interpretação diremos na presença do rei.
Tu, ó rei, és rei de reis; a quem o Deus do céu tem dado o reino, o poder, a força, e a glória.
E onde quer que habitem os filhos de homens, na tua mão entregou os animais do campo, e as aves do céu, e fez que reinasse sobre todos eles; tu és a cabeça de ouro.
E depois de ti se levantará outro reino, inferior ao teu; e um terceiro reino, de bronze, o qual dominará sobre toda a terra.
E o quarto reino será forte como ferro; pois, como o ferro, esmiúça e quebra tudo; como o ferro que quebra todas as coisas, assim ele esmiuçará e fará em pedaços.
E, quanto ao que viste dos pés e dos dedos, em parte de barro de oleiro, e em parte de ferro, isso será um reino dividido; contudo haverá nele alguma coisa da firmeza do ferro, pois viste o ferro misturado com barro de lodo.
E como os dedos dos pés eram em parte de ferro e em parte de barro, assim por uma parte o reino será forte, e por outra será frágil.
Quanto ao que viste do ferro misturado com barro de lodo, misturar-se-ão com semente humana, mas não se ligarão um ao outro, assim como o ferro não se mistura com o barro.
Mas, nos dias desses reis, o Deus do céu levantará um reino que não será jamais destruído; e este reino não passará a outro povo; esmiuçará e consumirá todos esses reinos, mas ele mesmo subsistirá para sempre,
Da maneira que viste que do monte foi cortada uma pedra, sem auxílio de mãos, e ela esmiuçou o ferro, o bronze, o barro, a prata e o ouro; o grande Deus fez saber ao rei o que há de ser depois disto. Certo é o sonho, e fiel a sua interpretação.
Então o rei Nabucodonosor caiu sobre a sua face, e adorou a Daniel, e ordenou que lhe oferecessem uma oblação e perfumes suaves.
Respondeu o rei a Daniel, e disse: Certamente o vosso Deus é Deus dos deuses, e o Senhor dos reis e revelador de mistérios, pois pudeste revelar este mistério.
Então o rei engrandeceu a Daniel, e lhe deu muitas e grandes dádivas, e o pôs por governador de toda a província de babilônia, como também o fez chefe dos governadores sobre todos os sábios de babilônia.
E pediu Daniel ao rei, e constituiu ele sobre os negócios da província de babilônia a Sadraque, Mesaque e Abednego; mas Daniel permaneceu na porta do rei.

Daniel 2:1-49

2489869617_0f36a70e0c.jpg

Não é do acaso que Deus deu a revelar esta profecia precisamente ao rei do maior império da história.

 

Claro que a profecia serve fundamentalmente para nós, mas Deus sabe conjugar muitos propósitos num só acto.

 

Nabucodonosor foi um rei tirano de um império extremamente pagão. Mas para demonstrar a Nabocodonosor que ele não era "nada", revelou-lhe o sonho de que não só o seu império, como os impérios seguintes, seriam todos "engolidos" pelo reino que está por vir. Um reino eterno com Cristo como rei dos reis.

 

Como disse, apesar de ser um rei tirano de um império extremamente pagão, Deus utilizou Nabocodonosor para castigar o seu próprio povo [Daniel 1:1-2], para logo depois lhe demonstrar que todo o seu poder não era mérito dele próprio, sendo posteriormente destruído pelo mesmo Deus que o utilizou para castigar o povo de Israel. 

 

Agora, pois, eu, Nabucodonosor, louvo, exalço e glorifico ao Rei do céu; porque todas as suas obras são verdade, e os seus caminhos juízo, e pode humilhar aos que andam na soberba.

Daniel 4:37

 

[Recomendo a leitura integral dos primeiros 4 capítulos do livro de Daniel]

 

Até ao surgimento do Reino de Deus, Deus utilizará todos os meios para castigar uns, disciplinar outros, e evangelizar a muitos. É no dia a dia que nós aprendemos, e a sua própria história de vida não foi deixada ao acaso.

 

Pessoalmente, quando olho para trás (coisas muito mais "más" que "boas"), percebo que foi a minha história de vida que me levou a perceber que existe um Deus, e que este está irado com o pecado da raça humana.

 

Como está escrito:Não há um justo, nem um sequer.
Não há ninguém que entenda;Não há ninguém que busque a Deus.

Romanos 3:10-11

 

Assim, sendo todos nós indesculpáveis (a não ser pela fé em Cristo), Deus nunca será injusto castigando os injustos pelas mãos de outros injustos. Na verdade, até os injustos são utilizados por Deus nos seus propósitos. Ele é Deus e faz o que quer.

 

Efectivamente, foi Deus quem castigou Israel. Nabocodonosor foi somente um meio, assim como Judas foi um meio para Cristo subir até à cruz, porque tudo estava e está profetizado.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.